Cartola

Compositor, Cantor, Violonista.
Angenor de Oliveira ( Cartola )
11/10/1908 Rio de Janeiro, RJ
30/11/1980 Rio de Janeiro, RJ


Nascido na rua Ferreira Vianna, no Catete, era o primogênito dos oito filhos do casal Sebastião e Aída. Apesar de ter recebido o nome de Agenor, foi registrado como Angenor. Mas esse fato ele só viria a descobrir muitos anos mais tarde, ao tratar dos papéis para seu casamento com D. Zica, nos anos de 1960. A partir de então, para não ter que providenciar a mudança do nome no cartório, passou a assinar oficialmente seu nome como Angenor de Oliveira. Ainda na infância, mudou-se com a família para o bairro das Laranjeiras, onde entrou em contato com os ranchos União da Aliança e Arrepiados. Neste último, tocava um cavaquinho que lhe fora dado pelo pai quando tinha somente 8 ou 9 anos de idade. Seu entusiasmo por esse rancho era tanto que, mais tarde, ao participar da fundação da Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira, em abril de 1929, sugeriu que aquela agremiação tivesse as mesmas cores do rancho Arrepiados: verde e rosa. Desde então, essas duas cores passaram a formar um símbolo dos mais reverenciados no mundo do samba.

Na verdade, soube depois por Carlos Cachaça, que existira no Morro da Mangueira um antigo rancho de carnaval com o nome de Caçadores da Floresta, cujas cores eram exatamente o verde e o rosa. Em 1919, foi morar no Morro da Mangueira, aos 11 anos de idade. Sua família passava, então, por dificuldades financeiras. Pouco depois, começou a travar amizade com um outro morador da Mangueira, Carlos Cachaça, seis anos mais velho, e que se tornaria, além de amigo por toda a vida, o seu parceiro mais constante em dezenas de sambas.

Fez o curso primário. Após a morte de sua mãe, abandonou os estudos para trabalhar, ao mesmo tempo em que se inclinava para a vida boêmia. Durante a adolescência trabalhou numa tipografia e também como pedreiro. Vem daí o apelido com que se tornaria reconhecido como um dos grandes nomes da Música Popular Brasileira: enquanto trabalhava nas obras de construção, para que o cimento não lhe caísse sobre o cabelo, resolveu passar a usar um chapéu- de- côco que os colegas diziam parecer mais uma cartolinha. Assim, começou a ser chamado de “Cartola”. Nessa época, conheceu Deolinda, mulher sete anos mais velha, casada e com uma filha de dois anos. Certa vez, se sentiu doente e Deolinda, vizinha do barraco ao lado, se oferece para cuidar dele. Os dois acabam se envolvendo. Tinha na época apenas 18 anos e estava morando sozinho. Decidem viver juntos e Deolinda deixa o marido, levando a filha que o compositor irá criar como sua. Sob seu teto e de Deolinda, Noel Rosa foi se abrigar algumas vezes, à procura de um refúgio tranqüilo, como contam João Máximo e Carlos Didier em “Noel Rosa, uma biografia”.

Participou da formação do Bloco dos Arengueiros, em 1925, que viria a ser o embrião da Mangueira. Em 1946, aos 38 anos de idade, contraiu meningite e ficou impossibilitado de continuar a trabalhar por um longo tempo. Com a morte de Deolinda, deixou o Morro da Mangueira, afastando-se do mundo do samba, por cerca de dez anos. Conseguiu trabalhos modestos, como o de lavador de carros e vigia de edifícios. Era esse o seu ofício, em meados dos anos 1950, num edifício em Ipanema, Zona Sul do Rio de Janeiro. Numa noite de 1956, em que resolveu beber um café num botequim próximo ao edifício onde trabalhava, encontrou o escritor Sérgio Porto (Stanislaw Ponte Preta) que imediatamente o reconheceu. Ao ver o compositor naquele macacão, molhado, o escritor decidiu ajudá-lo. Na ocasião, era dado como desaparecido ou mesmo morto, por muitos de seus conhecidos e admiradores. O reencontro com Sérgio Porto foi definitivo para a retomada de sua carreira como músico e compositor.

Começou a participar de programas na rádio Mayrink Veiga e depois foi trabalhar como contínuo no jornal Diário Carioca, por recomendação do cronista e pesquisador Jota Efegê. Empregou, anos depois, como contínuo do Ministério da Indústria e Comércio e teve uma casa em terreno doado pelo Governo do Estado da Guanabara. No início dos anos 1960, vivendo com Eusébia Silva do Nascimento, a Zica, abriu com ela o restaurante Zicartola, num casarão na Rua da Carioca, no Centro do Rio. A iniciativa contou com o apoio financeiro de empreendedores considerados “mangueirenses de coração”, como o empresário Renato Augustini. A receita para o sucesso do estabelecimento, que se tornaria uma página importante na história da música popular brasileira, era das mais simples e saborosas. Na cozinha, D. Zica comandava o tempero do feijão que lhe tornou famosa, enquanto ele fazia as vezes de mestre de cerimônias, propiciando o encontro entre sambistas do morro e compositores e músicos de classe média. No Zicartola, por exemplo, Paulinho da Viola começou a cantar em público.

Em 1978, transferiu-se da Mangueira para uma casa em Jacarepaguá, mas sempre voltava para visitar os amigos no morro onde crescera e se tornara famoso. Em 1979, descobriu que estava com câncer, doença da qual viria a morrer no ano seguinte, aos 72 anos de idade. Após o velório na quadra da Estação Primeira de Mangueira, seu corpo foi sepultado no Cemitério do Caju. Durante os anos seguintes, viriam homenagens póstumas, discos e biografias que o confirmariam como um dos maiores nomes da música popular brasileira. Quando soube que o compositor se encontrava doente o poeta Carlos Drummond de Andrade escreveu crônica no Jornal do Brasil na qual dizia: “A delicadeza visceral de Angenor de Oliveira (e não Agenor, como dizem os descuidados) é patente quer na composição, quer na execução. Como bem me observou Jota Efegê, seu padrinho de casamento, trata-se de um distinto senhor emoldurado pelo Morro da Mangueira. A imagem do malandro não coincide com a sua. A dura experiência de viver como pedreiro, tipógrafo e lavador de carros, desconhecido e trazendo consigo o dom musical, a centelha, não o afetou, não fez dele um homem ácido e revoltado. A fama chegou até sua porta sem ser procurada. O discreto Cartola recebeu-a com cortesia. Os dois conviveram civilizadamente. Ele tem a elegância moral de Pixinguinha, outro a quem a natureza privilegiou com a sensibilidade criativa, e que também soube ser mestre de delicadeza”.

Obras:

  • A canção da saudade
  • A canção que chegou (c/ Nuno Veloso)
  • A cor da esperança (c/ Roberto Nascimento)
  • A mesma estória (c/ Elton de Medeiros)
  • Acontece
  • Alegria
  • Alvorada no morro (c/ Carlos Cachaça e Hermínio Belo de Carvalho)
  • Amiga oculta (c/ Dalmo Castelo)
  • Amor proibido
  • Ao amanhecer
  • Apelo
  • Arremedo de um nada (c/ Nuno Veloso)
  • As rosas não falam
  • Autonomia
  • Basta de clamares inocência
  • Bem feito
  • Canta esta canção
  • Catedral do inferno (c/ Hemínio Belo de Carvalho)
  • Chega de demanda
  • Ciência e arte (c/ Carlos Cachaça)
  • Consideração (c/ Heitor dos Prazeres)
  • Cordas de aço
  • Corra e olhe o céu (c/ Dalmo Castelo)
  • Covardia (c/ Dalmo Castelo)
  • Dê-me graças, senhora
  • Decadência (samba)
  • Desfigurado
  • Desta vez eu vou
  • Disfarça e chora (c/ Dalmo Castelo)
  • Divina dama
  • Enquanto Deus consentir
  • Ensaboa
  • Eu sei
  • Evite meu amor
  • Feriado na roça
  • Festa da Penha (c/ Adalberto Alves de Sousa)
  • Festa da vinda (c/ Nuno Veloso)
  • Fim de estrada
  • Fita meus olhos (c/ Baiaco)
  • Fiz por você o que pude
  • Fundo de quintal (c/ Cláudio Jorge e Hermínio Belo de Carvalho)
  • Garças pardas (c/ Zé da Zilda)
  • Grande Deus
  • Injúria (c/ Elton Medeiros)
  • Labaredas (c/ Hermínio Belo de Carvalho)
  • Mangueira tem uns astros
  • Minha
  • Motivação (c/ Dalmo Castelo)
  • Musquitim (c/ Dalmo Castelo e Xico Chaves)
  • Na floresta (c/ Sílvio Caldas)
  • Não faz, amor (c/ Noel Rosa)
  • Não posso viver sem ela (c/ Bide)
  • Não quero mais (c/ Zé da Zilda e Carlos Cachaça)
  • Nós dois
  • O inverno do meu tempo (c/ Roberto Nascimento)
  • O mundo é um moinho, letra, vídeo.
  • O sol nascerá (c/ Elton Medeiros)
  • Ordenes e farei (c/ Aluísio Dias)
  • Passarada (c/ Dalmo Castelo)
  • Peito vazio (c/ Elton de Medeiros)
  • Pelo nosso amor
  • Perdão, meu bem
  • Por quem os anjos cantam (c/ Carlos Cachaça)
  • Porque vamos chorando
  • Pouco importa
  • Preconceito
  • Pudesse meu ideal (c/ Carlos Cachaça)
  • Qual foi o mal que eu te fiz?
  • Que é feito de você?
  • Que infeliz sorte
  • Que sejam bem-vindos
  • Que sejas bem feliz
  • Quem me vê sorrindo (c/ Carlos Cachaça)
  • Sala de recepção
  • Sei chorar (samba)
  • Senões (c/ Nuno Veloso)
  • Silenciar a Mangueira
  • Silêncio de um cipreste (c/ Carlos Cachaça)
  • Sim (c/ Osvaldo Martins)
  • Sofreguidão (c/ Elton Medeiros)
  • Soldado do amor (c/ Nuno Veloso)
  • Tempos idos (c/ Carlos Cachaça)
  • Tenho um novo amor
  • Tive, sim
  • Todo amor (c/ Carlos Cachaça)
  • Vai amigo
  • Vale do São Francisco (c/ Carlos Cachaça)
  • Vem (c/ Arthur de Oliveira)
  • Verde que te quero rosa (c/ Dalmo Castelo)
Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: