Gringos improvisam camas com redes em acampamento da Rio+20

 

Gringos improvisam camas com redes em acampamento da Rio+20

Colombianos passaram a dormir em redes após temporada no Pará.
Campus da UFRJ, na Praia Vermelha, vai abrigar mais de 2 mil jovens.

Tássia Thum Do G1 RJ

 A rede esticada na árvore vai ser o dormitório dos colombianos Javier Ruiz e Davi Gusmán durante a Rio+20. Sem dinheiro para pagar as altas tarifas dos hotéis e albergues, eles acampam na UFRJ, na Praia Vermelha, na Zona Sul da cidade. Mais de 2 mil jovens são aguardados no camping improvisado no gramado da universidade, que fica a poucos minutos do Aterro do Flamengo, onde vai acontecer a Cúpula dos Povos.
Javier e Davi aprovaram a primeira noite na rede fixada nas árvores do campus da UFRJ, na Praia Vermelha, na Zona Sul (Foto: Rodrigo Gorosito/G1)Javier e Davi aprovaram a primeira noite na rede fixada nas árvores na UFRJ (Foto: Rodrigo Gorosito/G1)

Javier e Davi, ambos de 34 anos, chegaram ao Rio de Janeiro na quarta-feira (13). Na falta de barraca e de colchonetes, eles passaram a primeira noite em companhia do sereno e do vento gelado.

“Essa nossa suíte é melhor do que a de um hotel cinco estrelas. Podemos admirar as estrelas, sentir a brisa e ouvir o som dos pássaros. E tudo isso ainda de graça. Ainda não choveu, então não tenho do que reclamar”, conta Davi, que utilizou o artifício de um mosqueteiro para evitar a visita dos indesejados insetos.

Pesquisas no Norte do Brasil

A dupla de colombianos explica que desenvolveu o hábito de dormir em redes durante uma temporada no Pará.

Eles visitaram cidades do norte do país por dois anos, durante uma pesquisa com as mulheres quebradeiras de coco babaçu. Atualmente, Javier faz mestrado na Universidade de Madri e Davi é aluno do curso de planejamento do desenvolvimento na Universidade Federal do Pará (UFPA).

Os dois vão participar de fóruns e discussões na Cúpula dos Povos, que acontece paralelamente à Rio+20, de 16 a 19 de junho. Para Javier, a Rio+20 se diferencia das outras conferências por ter conseguido uma maior participação e mobilização da sociedade.

“Todo mundo está mais consciente dos seus deveres em adotar medidas mais sustentáveis para o planeta. Acho que nos debates podemos chegar a algumas soluções, principalmente para as comunidades e aldeias pequenas”, argumenta o pesquisador, que também participou da Conferência de Joanesburgo, em 2002.

Tradutores voluntários
Durante a Rio+20, o campus da UFRJ vai abrigar integrantes de 100 movimentos jovens nacionais e estrangeiros. Para facilitar a comunicação, foi criado um grupo de tradutores voluntários.

“Vão ficar acampados aqui jovens da Romênia, Rússia, Alemanha, Canadá e Estados Unidos. É importante que todos discutam e trocam idéias que possam ajudar a melhorar a vida em comunidade”, afirma Lívia Alencar, de 25 anos, integrante da Rede da Juventude pelo Meio Ambiente e Sustentabilidade.

Refeição para os alojados
A UFRJ disponibilizou 42 banheiros, sendo 26 com chuveiros, para os hospedados no camping. Os visitantes vão ganhar diariamente tíquetes de refeição no valor de R$ 24, que podem ser utilizados em restaurantes credenciados.

Quem não conseguiu vaga no acampamento da Praia Vermelha pode procurar por vagas no camping montado na Quinta da Boa Vista, na Zona Norte do Rio.

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: